fbpx

Como mitigar os riscos de variação cambial no comércio exterior

Veja aqui como mitigar os riscos de variação cambial no comércio exterior e tire todas as suas dúvidas.

Você sabia que a variação cambial é um dos riscos mais comuns quando falamos em transações internacionais que fazem parte do comércio exterior, como importações e exportações?   

O grande problema da variação cambial é que, para quem não tem domínio sobre esses números, essas taxas acabam se transformando em um risco oculto dos processos de comércio exterior.

Elas podem levar a surpresas financeiras nada agradáveis para as empresas.   

A variação cambial não é algo que você consiga evitar, pois ela acontece por conta da volatilidade das moedas, que tem os seus valores ligados a vários fatores macroeconômicos, geopolíticos e especulativos. 

Nesse cenário, você pode dormir e acordar com o valor do dólar completamente diferente, por exemplo.   

Mas, para empresas que atuam com comércio exterior, essa volatilidade pode levar a alterações imprevisíveis durante as relações de troca entre diferentes moedas.

Esses impactos cambiais podem gerar consequências bem drásticas, se não os consideramos da maneira certa.   

Portanto, se você quer saber como mitigar os riscos associados à variação cambial dentro do contexto do comércio exterior da forma certa, continue acompanhando esse conteúdo com a gente!   

Entendendo os riscos cambiais: o que são e quais são os principais 

Dentro do comércio internacional, os riscos cambiais surgem como um fator muito importante. Afinal, eles são capazes de influenciar as operações e a lucratividade das empresas mais do que elas gostariam.

Esses riscos surgem por conta da natureza fluida das moedas, que estão suscetíveis a serem afetadas por uma série de fatores macroeconômicos, políticos e sociais dos seus próprios países e de todo o resto do mundo.   

Por isso, saber um pouco mais sobre os principais tipos de riscos cambiais, é fundamental para que as empresas consigam avaliar esses riscos em potencial. 

Bem como para gerenciarem e minimizarem as incertezas durante as transações que envolvem diferentes moedas.   

Então, basicamente, os riscos cambiais são aqueles que estão associados à valorização e desvalorização das moedas envolvidas no processo de importação/exportação. Geralmente, eles se modificam diariamente.   

Vamos conhecer agora quais são os principais riscos cambiais que fazem parte do comércio exterior:  

Risco de transação

O risco de transação é o tipo mais imediato de risco cambial dentro do comércio exterior. Basicamente, ele surge quando uma empresa possui compromissos financeiros, como pagamentos ou recebimentos, em alguma moeda estrangeira.   

Quando acontece uma variação desfavorável nas taxas de câmbio entre o momento da contratação e o momento da liquidação desses pagamentos, isso se reflete como uma variação nos valores em moeda local que serão recebidos/pagos pela empresa.

Dessa forma, impacta diretamente na margem de lucro das transações. Por isso, pode afetar a saúde financeira e o planejamento financeiro da empresa.  

Risco de conversão

O risco de conversão, muito conhecido como risco contábil, é um tipo de risco cambial que aparece quando uma empresa possui operações em diferentes países e precisa consolidar suas demonstrações financeiras em uma única moeda, geralmente a moeda da empresa sede.   

Por exemplo, você é uma empresa brasileira que tem operações na Argentina e nos Estados Unidos e chega o momento de fazer as demonstrações financeiras aqui no Brasil, onde é necessário mostrar os números de todas as bases.   

Nesse momento, as flutuações cambiais afetam bastante a conversão dos ativos, passivos, receitas e das despesas para a moeda de consolidação. Isso terá impacto direto nos valores apresentados nos relatórios financeiros, podendo afetar a avaliação das operações.  

Risco econômico

Por fim, outro risco cambial muito importante é o risco econômico, que está relacionado à volatilidade cambial, que tem um grande impacto na competitividade global da empresa.   

Isso acontece porque as flutuações nas taxas de câmbio podem influenciar a demanda pelos produtos e pelos serviços oferecidos pela empresa em mercados estrangeiros.   

Desse modo, a moeda local se valoriza em relação a outras moedas, os produtos da empresa podem se tornar mais caros para os compradores estrangeiros, diminuindo a sua competitividade em relação a produtos de empresas locais.   

Por outro lado, uma moeda local mais fraca pode tornar as exportações mais atraentes. Mas pode aumentar os custos dos insumos importados ao mesmo tempo. 

Melhores estratégias para mitigar os riscos de variação cambial no comércio exterior

Sabendo de todos esses riscos e tendo em mente que essa volatilidade das taxas de câmbio é uma realidade inevitável dentro do cenário do comércio exterior, você deve estar se perguntando: o que posso fazer para mitigar esses riscos?   

Felizmente, existem algumas estratégias eficazes que podemos implementar e que ajudam a minimizar os riscos cambiais, protegendo os resultados financeiros da sua empresa em todos os processos.   

Aqui estão algumas das melhores abordagens para você lidar com esses desafios com sucesso:

Invista em hedge cambial

O hedge cambial é uma estratégia muito interessante e eficiente para mitigar riscos cambiais. 

Basicamente, o hedge cambial envolve a utilização de instrumentos financeiros, como contratos de futuros, opções e swaps. Eles servem para proteger o seu dinheiro contra as flutuações nas taxas de câmbio. 

Por meio desses instrumentos, as empresas podem fixar as taxas de câmbio em níveis que consideram favoráveis para suas atuações. Dessa forma, é possível garantir que as transações futuras sejam realizadas a preços que já estão pré-estabelecidos.  

Tente realizar uma diversificação geográfica

Reduzir o seu nível de dependência de um único mercado é uma estratégia inteligente para lidar com riscos cambiais também.

Afinal, ao expandir as operações para várias regiões geográficas, as empresas podem equilibrar os impactos das flutuações cambiais em diferentes áreas. 

Isso diminui o risco de impactos concentrados, ou seja, que acontecem em um único país por algum motivo interno.  

Fixação de preços em moeda local

Outra abordagem eficaz para reduzir os riscos cambiais é fazer a fixação de preços em moeda local sempre que for possível.

Para isso, faça a negociação de contratos de venda ou compra onde os preços possam ser denominados na moeda do país de origem ou destino. 

Dessa forma, as flutuações cambiais acabam tendo um impacto menor nessas transações, proporcionando mais estabilidade.  

Faça uma boa gestão de riscos

Monitorar as tendências cambiais é fundamental para realizar uma gestão eficaz dos riscos. Isso pode envolver a antecipação de movimentos cambiais com base em análises e dados econômicos, que permitem que a empresa tome decisões mais informada.

Assim, ela consegue prever os movimentos futuros, evitando que qualquer alteração acabe afetando muito negativamente o financeiro da empresa.

Com uma boa combinação dessas estratégias para lidar com os riscos de variação cambial no comércio exterior, a sua empresa estará preparada para enfrentar esses imprevistos com eficiência. Assim, será possível manter o seu desempenho em todos os cenários.

Para conseguir construir um processo de comércio exterior mais linear e tendo os riscos sempre sob controle, vale a pena contar com quem já é experiente no assunto.

Então, se você está em busca de formas de gerenciar suas transações cambiais no comércio exterior de maneira mais eficiente e vantajosa, conheça um pouco mais sobre a Zebra!   A melhor alternativa de câmbio para importação e exportação.

Com anos de atuação no comércio exterior, temos domínio sobre todos os processos, burocracias e regulamentações. Além disso, conhecemos as melhores estratégias para mitigar riscos!    

O Nosso Site Utiliza Cookies

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias para que você tenha a melhor experiência em nosso site. Para saber mais acesse nossa página de Política de Privacidade e Cookies